Minha história com a escrita

Costumo dizer que eu escrevo desde que me entendo por gente. Aos sete anos de idade avisei minha família que ia escrever um livro e algum tempo depois entreguei um caderno de 48 páginas com um texto que chamei de “Um história incrível”. Era quase uma cópia do roteiro do filme “A história sem fim”, mas com muitos aditivos da minha imaginação infantil. Daquele dia em diante eu soube que jamais poderia deixar de escrever, que a escrita era para mim como respirar. Experimentei muitas plataformas: diários, poemas, cadernetas… Até que o computador me deu a possibilidade de escrever para um publico mais abrangente que meus familiares e professores. Foi quando montei este blog. Tive alguns outros antes, mas o Girafa de Papel foi o único que levei a sério e pretendo manter por muito tempo.

Aqui escrevo textos curtos, pequenos contos ficcionais, onde deixo a mente rolar sem me preocupar com nada. Em 2015 me pus a escrever meu primeiro romance, Pássaro com Olhos de Fogo, e para realizar um bom trabalho nele acabei me afastando dos mini contos. Escrever historias curtas atrapalha o desenrolar de historias longas. Com o Pássaro aprendi muitas lições sobre como é o processo da escrita pra mim. A primeira é que mesmo que todo mundo diga que eu escrevo bem, eu nunca serei tão boa quanto meus autores favoritos. Essa é a lição da humildade. Com ela aprendi que o importante é escrever, todos os dias, sempre mantendo em mente que eu precisarei de muitos e muitos romances escritos para poder ser realmente considerada boa.

Eu escrevi o Pássaro até o final, cheguei a postar quase todos os capítulos aqui, mas depois tirei do ar. Divulguei muito no Facebook, mas um dia percebi que a revisão seria uma reescrita e que o livro sairia tão diferente que o não fazia sentido mantê-lo online. Foi quando descobri o prazer de me dedicar a ele sem o olhar de qualquer leitor. Depois de um grande hiato emocional na escrita – quando fiquei mais de seis meses sem ter nenhum contato com o livro -, me sentei na cozinha de casa e folheei suas páginas impressas em A4. Senti como se visitasse velhos amigos, dos quais eu gostava tanto que eles mereciam uma versão melhor de sua história. Hoje eu trabalho nessa segunda versão, que considero quase como um segundo livro.

Confesso que por muito tempo achei que eu seria uma escritora de livros incompletos. Daqueles que eternamente escrevem a mesma história. Vejo tantos autores no Wattpad, na Amazon, no próprio Facebook, que a cada dois meses lançam um novo romance que por muito tempo pensei em parar de escrever, acreditando que a escrita não servia para mim. Me questionei se eu era perfeccionista demais para aceitar que a primeira versão estava bem escrita, tentei enfiar a forceps na minha cabeça que ‘antes feito que perfeito’, que do jeito que estava já  dava pra enviar pra alguma editora. Foi quando assisti o filme “O mestre dos gênios” que conta a história do grande editor Max Perkins, responsável por autores como F. Scott Fitzgerald, Ernest Hemingway e Thomas Wolfe. Saí do filme em catarse. Percebi que eu não sou uma má escritora só por não ser tão prolífica quanto Stephen King, mas que eu sou apenas uma escritora diferente, que gosta muito mais de lapidar a pedra do que de tirá-la da terra.

O Mestre dos Gênios

O trabalho de um escritor, pra mim, é como o de um ‘ourives garimpeiro’. Nós percebemos que em certo terreno da nossa mente existe uma história para ser contada. Vamos lá, e tiramos a historia a machadadas, garimpando. Depois nos sentamos em frente a uma lente de aumento e polimos, lapidamos um pouco. Nessa etapa a jóia – que é a história pronta – já está bem diferente do que tiramos da terra fértil de nossa imaginação. Alguns escritores conseguem preciosidades dessa primeira lapidação. Outros, como eu, preferem lapidar a pedra a ponto de torná-la quase irreconhecível. Esses últimos tem mais gosto em lapidar, os primeiros talvez tenham em descobrir a história e contá-la.

Foi assim, com essa metáfora, que entendi porque eu gosto tanto do trabalho da minha coaching literária, a Adriana. Com ela aprendi que não tem só lapidação. Tem lapidação, polimento, tem muito aparar de arestas. Depois do livro pronto, ele ainda não está pronto, não precisa apenas ser revisado, precisa ser reescrito. Descobri um prazer novo com a leitura, agora sistematizada. Leio romances como O Grande Gatsby pela segunda ou terceira vez e vejo neles sempre uma coisa nova. Leio Zafon pela décima vez e sempre encontro algo que me faz brilhar os olhos e melhorar minha escrita. E foi na reescrita – após muita leitura – que encontrei meu gênio criativo na sua melhor fase.

Esse gênio é algo tão íntimo que não consigo mais expor meu texto à leitura sem que o considere pronto. Minha relação com as personagens, com a história, com a forma de contá-la tornou-se tão íntima que transformou a escrita na minha terapia. Hoje eu vejo que posso escrever depressa, sem nem gozar da escrita nesse momento, apenas garimpando a história na minha imaginação. Sei que terei a reescrita para tomar um chá com os personagens, conhecer suas facetas e personalidades, saborear cada cenário, interagir com a história e contá-la da maneira mais honesta possivel.

Hoje a escrita é também meu ganha pão. Como redatora e social media eu vivo praticamente de escrever de forma estratégica. A escrita ficcional, e o estudo desse estilo literário, é como descobrir dentro de mim mesma mais uma Marina, como num jogo de bonecas russas, onde uma é igual a outra, mas completamente oposta. É onde eu crio, me deleito e me encontro com pessoas que eu gostaria de ter conhecido: meus personagens.

Desafio 30 Dias de Transformação

Nas duas últimas semanas tive muita dificuldade em manter uma rotina normal. E se normal não estava possível, imagine saudável! Então, decidi montar um cronograma, baseado em um desafio de 30 dias para poder manter algumas práticas mesmo em dias complicados. Por que 30 dias? Bem, demoramos em média 21 dias para mudar um hábito, então acredito que 30 dias vão me ajudar a me adaptar a fazer isso todos os dias! Já aviso que essas práticas são focadas em coisas que funcionam PARA MIM, e pode ser diferente para cada um. Se você achar legal manter um desafio para você, estude seu corpo, peça ajuda de profissionais, para fazer uma rotina que se adapte a SUA VIDA.

Dividi o desafio em três grupos: corpo, mente e espírito. Algumas práticas vão englobar um ou dois grupos, mas a maior parte vai ter foco em apenas um grupo. Vamos lá?

Corpo

Todo mundo sabe que uma vida equilibrada depende de um corpo equilibrado. Então, nosso desafio começa com a prática de exercícios. Eu já corro – ando meio preguiçosa, confesso – mas já pratico esse exercício há algum tempo. Então, começo todo meu desafio para o corpo baseado na corrida e já com um tempo elevado de pratica. Aqui deixo uma dica: se você não se exercita, comece pela caminhada leve por pouco tempo para não correr o risco de se machucar e ter que ficar de molho por vários dias enquanto se recupera. Lembre-se que uma volta do quarteirão já é mais do que você fez ontem.

Mas nem só de corrida vive o corpo, então coloquei alguns exercícios de fortalecimento. Esse desafio foi elaborado com a ajuda de um amigo educador fisico, então não copie para você, pois ele é sob medida para mim! Se você não tem como ter acompanhamento profissional, mantenha a caminhada.

Desafio 30 dias: corpo

 

Dia 01 – 45 min corrida e caminhada, alternadas. Alongamento completo antes e depois.

Dia 02 – 45 agachamentos, 45 stiff, 45 afundos, 45 pontes, 45 air bikes. Todos em 3 séries de 15. Alongamento completo antes e depois.

Dia 03 – 45 min corrida e caminhada, alternados. Alongamento completo antes e depois.

Dia 04 – 30 flexões, 30 segundos prancha, 30 abdominais. 02 séries de 15 cada. Alongamento completo antes e depois.

Dia 05 – 45 min corrida e caminhada, alternados. Alongamento completo antes e depois.

Dia 06 – Apenas alongamento completo.

Dia 07 – descanso.

Repetir por 4 semanas, que dá mais ou menos 30 dias.

Gente, os nomes dos exercícios variam bastante e eu não sei exatamente os nomes corretos. No meu treino feito pelo educador fisico tem os nomes corretos, mas eu coloco os nomes que eu sei pra não ter que ficar olhando qual exercício é qual.

Mente

Eu escrevo – sei que não é novidade pra ninguém, mas é bom pontuar – e por isso ler é uma necessidade para mim. É quase como um trabalho. Eu leio e leio muito, mas ultimamente não tenho encontrado tempo para ler coisas que realmente alimentem minha mente com novos conhecimentos. Assim, meu desafio é baseado na leitura! Você pode fazer um desafio baseado em um curso online, por exemplo, ou em aprender inglês. Minha ideia é alimentar a mente com novos conhecimentos!

Desafio 30 dias: mente.

Mas como eu escrevo, apenas a leitura não alimenta a minha mente. Então coloquei também uma meta de escrita!

Gente, aqui eu não considero livros que leio por prazer, ok? Só aqueles que leio para usar como pesquisa para escrita ou para aprender coisas novas. Por que para leitura por prazer eu sempre tenho tempo!

Dia 01 – 20 minutos de leitura, 20 minutos de escrita.

Dia 02 – 20 minutos de leitura, 20 minutos de escrita.

Dia 03 – 20 minutos de leitura, 20 minutos de escrita.

Dia 04 – 20 minutos de leitura, 20 minutos de escrita.

Dia 05 – 20 minutos de leitura, 20 minutos de escrita.

Dia 06 – descanso.

Dia 07 – descanso.

Repete por 4 semanas, que dá mais ou menos 30 dias.

Espírito

Infelizmente eu não sou o tipo de pessoa que vai à igreja. Acho importantíssimo manter a fé e alimentá-la, mas eu sempre me atrapalho com compromissos que tem horário marcado! Então meu desafio para o espírito se baseia em práticas que eu posso fazer em casa mesmo. Você pode colocar como desafio ir à igreja, por exemplo.

Desafio 30 dias: espírito.

Dia 01 – 20 minutos meditação, lista de gratidão, fazer oração de agradecimento antes das refeições e antes de dormir.

Dia 02 – 20 minutos de meditação, lista de gratidão, fazer oração de agradecimento antes das refeições e antes de dormir.

Dia 03 – 25 minutos de meditação lista de gratidão, fazer oração de agradecimento antes das refeições e antes de dormir.

Dia 04 – 25 minutos de meditação lista de gratidão, fazer oração de agradecimento antes das refeições e antes de dormir.

Dia 05 – 30 minutos de meditação lista de gratidão, fazer oração de agradecimento antes das refeições e antes de dormir.

Dia 06 – 30 minutos de meditação lista de gratidão, fazer oração de agradecimento antes das refeições e antes de dormir.

Dia 07 – 30 minutos de meditação lista de gratidão, fazer oração de agradecimento antes das refeições e antes de dormir.

Repete por mais 03 semanas, que dá mais ou menos 30 dias.

A lista de gratidão é um caderninho que eu mantenho comigo e onde anoto todas as coisas pelas quais sou grata. Faz algum tempo que não anoto nada e quero ter por hábito anotar todos os dias! As orações antes das refeições e antes de dormir, são uma maneira de agradecer a Deus por tudo que tenho, diretamente!

Aqui não tem descanso, por que eu entendo que é um hábito do qual eu não precise descansar pra recarregar as energias, como nos exercícios físicos e leitura.

Conclusão

Somando o tempo diário de cada desafio eles significam um pouco menos de duas horas por dia. Pode parecer muito se pensarmos na rotina corrida que temos, mas se pensar que são duas horas dedicadas a você, parece bem pouco. Passamos o dia nos dedicando ao trabalho, aos afazeres de casa, aos familiares, não poder tirar duas horas para si me parece injusto. Para não pesar, eu divido o tempo dos exercícios: de manhã, antes de ir pro trabalho, tiro meus 20 minutos de escrita. Na hora do almoço, tiro os 20 minutos de leitura. No fim do dia, logo que chego em casa, faço os 45 minutos de exercícios. A meditação faço antes de dormir, bem como a lista de gratidão.

Percebi que quando coloco essas práticas como um compromisso, flui muito melhor do que quando as encaro como algo que pode ser adiado. Se pode ser adiado, qualquer outro compromisso faz com que eu pule um dia, dois, três, mas quando é compromisso fica como se eu tivesse um horário marcado comigo e não posso transferir. Óbvio que quando tenho um jantar com meu namorado ou um show bacana pra ir, saio da rotina sem medo. Mas no dia seguinte mantenho o foco e volto a rotina para não perder a mão!