08 princípios bíblicos sobre finanças

Nas minhas andanças pela internê, encontrei vários artigos elencando princípios bíblicos a serem seguidos para várias áreas de nossas vidas. Como cristã, achei pertinente colocá-los em prática na minha vida e resolvi compartilhar aqui o resultado. Pois é, a Bíblia pode ajudar nas finanças!

Se você não é cristão, não acredita em Deus, não partilha da mesma fé que a minha, peço apenas que abra sua mente e dê o benefício da dúvida para estes ensinamentos. Vai te tomar apenas cinco minutos de leitura e pode te trazer grandes benefícios!

“Pois comerás do trabalho de tuas mãos” – Salmos 128:2

Não precisa ser gênio pra entender a dádiva dessa lição. Ela fala basicamente sobre não viver a custa dos outros, ser autossuficiente vivendo do seu trabalho, do seu esforço. Quantas vezes nos permitimos alguns luxos que não podemos pagar cotando com a ajuda daquele paitrocínio não é verdade? Claro que é diferente quanto temos problemas e aceitamos a ajuda daqueles que amamos. Ninguém está livre de ter problemas financeiros. Ainda mais em um país economicamente instável. Mas depois que adotei a ideia na minha vida, muitas coisas se encaixaram e começaram a fazer sentido. Viver apenas do que eu produzo, do meu trabalho, do meu dinheiro é a forma mais gratificante de viver a vida. Ensina simplicidade e humildade. E ainda me faz sentir útil, produtiva.

“Feliz é o homem que empresta com generosidade e que com honestidade conduz os seus negócios.” Salmos 112:5

Além de ensinar que não se deve emprestar dinheiro para ganhar dinheiro, esse salmo ainda nos apresenta o valor da honestidade. Em tempos de corrupção, muitas vezes perdemos a fé nessa virtude e nos revoltamos por sermos honestos. Mas apenas a honestidade nos livra de problemas maiores, não só com a justiça, mas também com aqueles que amamos. Ser rico e desonesto faz com que perdamos nossa credibilidade e com iss a confiança de quem amamos. E nada pode ser mais desastroso do que só ter dinheiro.

Emprestar com generosidade é quando damos algo sem esperar retorno. Sim, a Bíblia ensina que devemos emprestar porque queremos emprestar, não porque queremos ganhar alguma coisa com isso, ou humilhar e cobrar as pessoas por não nos devolverem o emprestado. Numa segunda olhada sobre esse quesito, veja que quando somos honestos tendemos a nos rodear de pessoas honestas, e a chance de sermos enganados fica menor. Porém, se alguém não nos pagar por um empréstimo acredito que a melhor maneira de nos recuperarmos do tombo é seguindo em frente. Não adianta mal dizer o outro, odiá-lo, cobrá-lo por algo que ele não pode nos entregar – honestidade, no caso. É perda de tempo e de vida, não leva a nada.

“Qual de vocês, se quiser construir uma torre, primeiro não se assenta e calcula o preço, para ver se tem dinheiro suficiente para completá-la?” Lucas 14:28

Planeje seus gastos. Só isso. Faça uma planilha, baixe um app, anote num caderninho. Mas planeje. Saiba onde vai cada centavo do seu suado dinheiro. Isso traz tranquilidade e ideias de como agir caso a situação se aperte.

Poupe, e se poupe.

“Na casa do sábio há comida e azeite armazenados, mas o tolo devora tudo o que pode.” Provérbios 21:20

Poupe. E, assim, se poupe. Se você está lendo isso, certamente não é tão pobre que não possa poupar alguma coisa. Você pode pagar por internet, deve ter onde morar e comida na mesa. Se você está atolado em dívidas, com o cheque especial estourado e os cartões de crédito comendo uma de suas pernas, você pode poupar. Para poupar você deve primeiro planejar. Nem que seja dez reais por mês, coloque isso no seu planejamento e poupe.

Aqui tem uma dica muito legal que eu usei em 2015. É o desafio das 52 semanas que vi no Morando Sozinha uma planinha incrível para poupar R$6.890,00 em um ano. Coloquei em prática e… consegui. Eu estava cheia de contas pra pagar na época, mas levei a serio e essa poupança me ajudou a passar pela pior situação financeira que me acometeu ano passado.

“Por que gastar dinheiro naquilo que não é pão, e o seu trabalho árduo naquilo que não satisfaz?” Isaías 55:2

Gaste naquilo que importa. Quando coloquei esse ensinamento em prática, fiquei rica. Percebi que eu gastava em muitas – muitas mesmo – coisas que não precisava. Minha casa estava abarrotada de coisas inúteis e minha conta bancária abarrotadas de valores em vermelho. Decido adotar uma vida minimalista, onde eu controlo o que eu ganho através do que eu gasto. Minha mãe sempre dizia que o segredo da riqueza não é ganhar, mas saber gastar.

Olhe a sua volta, observe, quanto custou aquela caneta colorida linda que você não usa pra nada? E aquela blusa branca igual a outras dez que você tem no armário? E o punhado de relógio na gaveta sendo que você só tem dois braços e que usa relógio só em um? É. a gente gasta muito do nosso trabalho com coisas que simplesmente não importam…

“Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei.” Hebreus 13:5

Contentar-se com o que se tem é a única maneira de ser, de fato, feliz. Gratidão é o primeiro grande passo rumo a uma vida mais feliz, tranquila e sem atribulações financeiras. O que você teria se amanhã acoradesse apenas com o que agradeceu hoje? Passamos muito tempo olhando pro que falta e nem dos damos conta do muito que temos.

Contente-se com o que você pode ter agora, agradeça por isso e foque em viver uma vida financeira tranquila.

“Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males.” Timóteo 6:0

Essa é sobre apego, não só ao dinheiro mas a tudo que é material.

Eu venho de uma família com tendência à acumulação. Lá em casa sempre era ‘guarda, vai que precisa pra alguma coisa’. Então, cresci aprendendo que a gente não deve se desfazer de nada! Até 2014 tinha roupas de 1995 guardadas no armário. Roupas que eu nunca mais usei nem usaria, que serviriam para outras pessoas, mas vai que… Quando entendi o significado da palavra apego minha vida mudou. No versículo acima, troque a palavra amor por apego e vai entender o que eu quero dizer.

Somos apegados a coisas, a dinheiro, a cifrões. Passamos a vida fazendo contas para conseguir comprar aquele carro ou aquela roupa. Porém não conseguimos nos desfazer de nada, mesmo o que não nos serve, e ficamos literalmente presos no apego ao dinheiro, no amor a algo que nos devolve muito pouco.

Eu gosto de dinheiro, claro. Mas eu gosto mais de mim, da minha familia, do meu bem-estar. Ou seja, eu quero ter uma vida financeira confortável, claro. Mas quero antes ver minha vida como um todo tranquila. Se hoje eu tiver que abrir mão daquela blusa nova para poder sentar na mesa sem pensar em como vou pagar o jantar de amanhã, acho um preço justo a se pagar!

“E se vocês não forem dignos de confiança em relação ao que é dos outros, quem lhes dará o que é de vocês?” Lucas 16:12

Não queira o que não é seu, nem seja indigno com o que é dos outros. Cobiça – além de ser pecado – envenena por dentro e traz pobreza de espírito. Para ter o que é seu, antes, aceite o que é do outro.

 

 

04 TED Talks que podem transformar sua forma de ver o mundo

Eu adoro o TEDTalks. Toda semana vejo um ou dois vídeos sobre os mais variados assuntos. Medicina, empreendedorismo, comportamento… Tem TED para todos os gostos. Hoje eu elenco quatro videos que transformaram minha maneira de ver o mundo. Espero que também possam transformar a sua.

Observação: para ver com legendas basta clicar em ‘legendas’ no canto direito de qualquer video.

Susan Cain: O poder dos introvertidos

Com livro de mesmo nome, a escritora Susan Cain transforma um grande paradigma dos dias atuais. Em uma sociedade que valoriza demasiadamente os sociáveis e extrovertidos, a autora trás a ideia oposta argumentando que os introvertidos tem habilidades e talentos que devem ser reconhecidos, encorajados e utilizados.

Numa brilhante apresentação, a introvertida Susan prova que ser quieto não é defeito e que forçar um comportamento mais expansivo pode fazer com que perdamos grandes potenciais.

Minha vida se transformou depois de ver fora da caixa esse padrão social. Aceitei minha introversão, minha quietude e, incrivelmente, passei a ser mais comunicativa e firme.

Debra Jarvis: Sim, eu tive câncer. Mas isso não diz quem eu sou

Adoro esse TED! Assisto sempre que preciso dar uma chacoalhada interna e acordar pra vida. Debra Jarvis era capelã em um hospital especializado em cancer quando descobriu que ela mesma sofria da doença. Vivenciando o outro lado da moeda, Debra mostra como certas identidades – no caso a de vitima de cancer – podem ser paralisantes. Numa palestra desafiadora, ela ensina que nossas mais duras provações não nos definem e que devemos nos dar espaço para crescer e evoluir além de nossas experiências mais dolorosas.

Essa palestra sempre me tira da tão confortável zona do coitadismo. Assisto sempre que acho que minha vida está acabada, que nada tem jeito e que eu sou uma sofredora nata (todos nós temos esses dias de vitimismo, né não?). Quando desligo, pego meu tenis e saio para uma corrida, ou vou fazer alguma comida que eu gosto, ligar para algum amigo. Sempre saio transformada!

Andrew Solomon – Depressão, o segredo que compartilhamos

Andrew Solomon é o autor do grande best seller O Demônio do Meio Dia. Contando sua experiência com a depressão, empenhou-se em uma reveladora jornada pelo mundo, entrevistando pessoas com depressão, descobrindo, para sua surpresa, que quanto mais ele falava, mais as pessoas queriam contar suas histórias. Falando de forma clara e compassiva, Solomon prova que “o oposto de depressão não é felicidade, e sim vitalidade” e trás um viés contemporâneo e inovador sobre a doença.

Eu já lutava há anos com a depressão quando vi esse TED e depois dele comprei o livro de Solomon, que se tornou minha maior fonte de pesquisa quando o assunto é depressão. Longe de ser autoajuda, a palestra e o livro são focados em transformar nossa maneira de ver e experienciar a doença, nos mostrando o valor da medicina, da psicologia, mas também o poder da conversa, do amor e da compaixão para superar o demônio do meio dia.

Monica Lewinsky: O preço da vergonha

Monica Lewinsky é até hoje alvo de bullying. Quem não se lembra da estagiária que se transformou numa baita crise dentro da Casa Branca? Quando todo mundo ainda ouve Bill Clinton sobre o assunto, Monica se fez ser ouvida e nos trás uma aula transformadora sobre o poder da internet para destruir a reputação de alguém, em escala global. Paciente zero de um tipo de humilhação pública que infelizmente se tornou banal ela clama por uma mudança social que faça com que aspectos pessoais da vida de uma pessoa mantenham-se realmente privados.

Monica mostra todo o talento que a levou a conseguir um cargo na Casa Branca e apresenta a destruição que a internet pode causar na vida de alguém que, no fim, cometeu apenas um erro comum, que milhares de pessoas que a julgaram provavelmente já cometeram. A palestra dela me mostra o poder da compaixão e me ensina que não devemos condenar pessoas por um erro, seja ele da magnitude que for.

Espero que vocês gostem tanto quanto eu!

Objetivos: como usar análise SWOT para alcança-los

Na faculdade de publicidade aprendi a usar a Análise SWOT para traçar ações para alcançar objetivos de marketing dentro de uma empresa! Não passei nem um semestre sem fazer pelo menos uma SWOT! A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada para avaliação estratégica e desenvolvimento de plano de ação. Adaptada à vida pessoal, nos ajuda a traçar um plano detalhado para alcançarmos nossos objetivos!

O termo SWOT é composto pelas iniciais das palavras Strenghts (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (Ameaças). Ela analisa fatores internos e externos e com base neles, traçamos um plano para chegar aos nossos objetivos. Fatores internos, envolvem capacidades intelectuais, habilidade de relacionar-se, conhecimentos técnicos e empíricos e competências intrapessoais. São nossas forças e fraquezas, basicamente. As forças são as aptidões que cada pessoa possui e que podem ajudar na conquista dos objetivos pessoais, as fraquezas são pontos que o indivíduo precisa melhorar, como dificuldades que impedem a realização de determinadas tarefas e o alcance de metas.

Os fatores externos abrangem características ligadas ao ambiente em que vivemos e trabalhamos. São as oportunidades e ameaças a nossa volta. Oportunidades, são circunstâncias que, somadas às forças pessoais, podem ser proveitosas para atingir objetivos, já as ameaças são situações que podem potencializar fraquezas e impedir a conquista de metas.

Para fazer minha análise SWOT este ano, primeiro elenquei todos os meus objetivos em uma lista, depois separei os mais importantes e os coloquei como prioridade, aí fiz uma análise para cada objetivo, traçando metas específicas para alcançar cada um deles.

Primeiro fiz quatro quadrantes em uma folha e coloquei todos os pontos que reconheço como forças, fraquezas, oportunidades e ameaças. Nessa parte é muito importante ser sincero e verdadeiro, pois mentir aqui significa traçar planos irreais e fadados ao fracasso!

Como alcançar seus objetivos com a Análise SWOT

 

Meu objetivo principal esse ano é aumentar minha renda com minha empresa. Assim, meus quadrantes ficaram:

Forças:

  • bom networking, que ajuda a conseguir mais clientes
  • possibilidade de investimento em cursos para aumentar o valor agregado do serviço

Fraquezas:

  • baixo valor disponivel para investimento em cursos
  • pouco tempo disponivel

Oportunidades:

  • mercado de publicidade aquecido
  • grande variedade de cursos livres online, pagos e gratuitos, disponíveis na área

Ameaças:

  • imprevistos financeiros que impeçam o investimento em cursos
  • mercado geral em crise
  • muitos picaretas oferecendo cursos de baixa qualidade na área

Feito isso, cruzei todos os dados para traçar algumas estratégias.

Forças x Oportunidades:

Aqui definimos a estratégia ofensiva. A ideia é aproveitar ao máximo as vantagens para ampliar as oportunidades detectadas. Usando meu objetivo de exemplo, meu bom networking e a disponibilidade de investimento em cursos, me permitem aproveitar o mercado de publicidade aquecido, oferecendo meus serviços para mais empresas e fazer cursos livres online para agregar valor ao meu trabalho.

Forças x Ameaças

Estratégia de confronto! É onde você tira o maior proveito possível dos pontos fortes para minimizar os obstáculos. No meu caso, o bom networking pode burlar os possíveis imprevistos, visto que um cliente a mais ja cobre esse possível buraco no orçamento. Ter um dinheiro reservado para os cursos permite que eu foque em cursos reconhecidos, fugindo do ambiente dos picaretas.

Oportunidades x Fraquezas

Estratégia de reforço, ou seja, onde minimizamos as deficiências ao mesmo tempo que aproveitamos as oportunidades de nos desenvolver. Pra mim, o baixo valor disponivel para investir pode ser resolvido com o mercado aquecido na minha área, trazendo mais clientes em mais ganho pra mim. Ja a grande variedade de cursos livres online cobre a falta de tempo de me deslocar para cursos presenciais.

Fraquezas x ameaças

A estratégia defensiva é o calcanhar de Aquiles, geralmente. Nos anos de faculdade, vi muito empresários simplesmente travando quando chegam nessa etapa. Realmente é dificil olhar para as ameaças externas que não controlamos e cruza-las com nossas deficiências. Em muitos casos, essa parte do processo causa medo e desconforto, fora a sensação de que não vamos conseguir.

Mas eu sempre achei que essa parte é a mais transformadora! É onde podemos olhar com firmeza para o exterior e afirmarmos o compromisso de mudar nosso interior. Estar alerta aos riscos e com o firme propósito de superar nossos pontos fracos, nos dão as melhores ideias de ação para chegarmos aos nossos objetivos.

No meu caso, o baixo valor disponível para cursos, é potencializada caso algum imprevisto financeiro apareça. O pouco tempo para focar nos cursos também me deixa mais a mercê de picaretas. Porém, saber disso me faz ver duas coisas. Primeiro que eu posso avaliar o desenvolvimento da minha estratégia e perceber se não estou alcançando os objetivos por fatores externos (ameaças) ou internos (fraquezas). Se os problemas forem externos, volto a estratégia de confronto, onde uso as forças para minimizar as ameaças. Se o problema for interno, volto a estratégia de reforço, aproveitando melhor as oportunidades.

Plano de ação

Com a análise pronta, no papel, parto para o desenvolvimento do plano de ação! Para ele, respondemos sete perguntas, também conhecidas como 5W2H. Essas perguntas nos ajudam a identificar ações necessárias para alcançarmos nossos objetivos. Como resposta coloquei a minha situação acima, para que você veja como eu desenvolvo meu plano!

WHAT – O que será feito?

  • cursos online para agregar valor ao trabalho

WHO – Quem o fará?

  • eu

WHEN – Quando será feito?

  • janeiro e fevereiro

WHERE – Onde será feito?

  • pela internet

WHY – Por que será feito?

  • para agregar valor ao serviço prestado

HOW – Como será feito?

  • duas vezes por semana, a noite, via internet

HOW MUCH – Quanto custará cada ação?

  • R$100,00 mensais para cursos pagos

Eu tenho um caderninho onde coloco as análises dos meus principais objetivos junto com os planos de ação de cada um. Assim, consigo juntar os planos de ação e defini-los por metas (com datas para serem cumpridos).

Como ultima dica, deixo uma coisa básica. Não adianta planejar se você não pretende executar. Se você identificou que precisa fazer cursos online duas vezes por semana, não adianta ficar na Netflix durante o tempo que designou pra isso. Os planos não se executam sozinhos, mesmo que você perca horas desenvolvendo-os. O mais importante de uma análise SWOT é que ela nos dá soluções para resolvermos problemas ao longo da caminhada rumo aos nossos objetivos. Com essas soluções somadas ao plano de ação, não precisamos mais nos preocupar com o que fazer ou como fazer, devemos focar em fazer, e esta é a parte que exige mais determinação!

Ninguém pode querer aumentar minha renda mais do que eu, já que ninguém pode fazer cursos por mim. Ninguém pode querer emagrecer mais que você, ninguém pode querer ser mais saudável por você, ninguém pode querer ter mais tempos pro seus filhos que você. E se ninguém pode querer por nós, ninguém pode fazer por nós. O mais importante é se manter focado.

Que acham de um post sobre foco e determinação? Tá na pauta já!