O livro que mudou a minha vida

Vi na página da Hypeness no Facebook uma matéria sobre o projeto Histórias Além da Capa e me inspirei a falar do livro que mudou a minha vida: A elegância do ouriço, da francesa Muriel Barbery.

Comprei o livro por acaso. Passando por uma livraria, vi uma pilha de exemplares perto do caixa, com o preço de R$9,99. Perguntei ao vendedor se era bom e ele respondeu que o livro havia ganho vários premios e era um best-seller. Na hora pensei “Dez reais e se passa em Paris. Vou levar.” Confesso que só comecei a ler porque estava obcecada por Paris na época, mas assim que comecei a ler a história de Renee e Paloma, fui cativada. O livro tem capítulos alternados de um mesmo ponto de vista de duas pessoas em situações diferentes: Renée, a zeladora de um prédio de luxo em Paris, 54 anos, viúva, “pobre e feia” como ela mesma diz. E do outro lado temos Paloma, 12 anos e meio, filha de um casal rico que mora no prédio e decidida a se matar em seu aniversário de 13 anos.

O que mais me chamou a atenção é que o livro é filosófico, mas escrito de uma maneira acessível. Os pensamentos de ambas as personagens principais se complementam perfeitamente para ilustrar a vida sem sentido da elite francesa, fazendo uma critica sensível sobre a forma que cada um vê a si e aos outros dentro da estrutura social. Mas calma, o livro é legal! O talento precoce de Paloma nos reserva momentos de boas risadas, tiradas através de sua ironia e sagacidade. Já a alma erudita de Renée nos traz uma reflexão interessante sobre como julgamos as pessoas por seus cargos e aparente posição social e nos surpreende a cada palavra com um olhar único sobre o que é belo.

Adoro a forma como a autora trata da cultura japonesa, como enaltece os pequenos rituais diários que criamos com as pessoas que amamos, e como as personagens buscam na simplicidade a forma máxima da felicidade. O livro mudou a minha vida com esse olhar filosófico e humano da vida comum, do dia a dia de duas pessoas tão diferentes e ao mesmo tempo tão parecidas. Muriel mudou a minha vida por me fazer ver que, apesar de diferenças sociais, todos os seres humanos tem aspirações e desejos de amor, de aceitação, de amizade e de reconhecimento. Depois de ler o livro, mudei meu olhar a cerca do que é realmente belo, das coisas que realmente fazem nossa vida mais bonita todos os dias. Aprendi a olhar para os flores que nascem no jardim e me sentir feliz por poder ve-las, aprendi a apreciar as horas de descanso como um momento de aprendizado e crescimento. E me apaixonei pela cultura japonesa.

Acredito que a maior lição que levo do livro está na frase: “Viver, morrer: são apenas consequências daquilo que se construiu. O que conta é construir bem.”

Mãos à obra. 🙂

Deixe uma resposta