Luzes

Na luz prata de uma manhã de chuva,
Conto sonhos ainda frustrados.
Na luz amarela de uma manhã de sol,
Faço planos ainda ignorados.
Na luz fraca de uma manhã escura,
Teço histórias ainda apagadas.
Se um dia houver manhã de neblina,
Trarei comigo suspiros de saudade.
Na cor dos dias de um coração partido,
Lembro apenas do que é ilusão.

*Este texto faz parte do projeto Repente Literário e é uma produção baseada na palavra ‘vida’, sugerida pela Lorena Caribé, do Meu Blog Diário.

**Este texto faz parte do projeto BEDA – Blog Every Day August – do grupo Rotaroots!

Um certo amarelo

Minha primavera vivida foi vagarosa.
Azulada.
Assustadora.

Meu verão vivido foi intenso.
Vermelho.
Educativo.

Conheci-te neste outono que vivo.
Meio cinza.
Meio dourado.
E já um pouco feliz.

Contigo veio a novidade.
O brilho.
O alaranjado.
Uma quase nudez.

Comigo, levarei de ti a liberdade.
O amor.
E esse amarelo que tinge a felicidade de um inverno que ainda está por vir.